10.4.13

Ir além

Há muito mais além dessa vida que ainda não descobri
Não podem ser coincidências essas memórias que nunca vivi
As histórias formadas por vidros quebrados da minha caixa de sonhos nunca vão embora
E como explicar essa estranha solidão?
Quanto mais pessoas perto de mim,
Mais pareço estar só
Minha mente me manda abraçar o silêncio e apreciar minha morte exterior
É aí que meu sono profundo me transporta para um mundo desconhecido e agradável que sei que pertence a mim
Como entender o que vivo aqui e o que se passa em meu interior?
Como preferir estar neste lugar quando conheço uma razão maior para querer fugir?
Essas duas dimensões só me deixam mais confusa
Sei que no fundo o outro mundo é só uma fortaleza que encontrei para me ver distante dos meus pesadelos reais
Mas se é para me livrar do que vivo,
A ilusão convidativa pode ser dona de mim,
Enquanto a realidade pode ficar para quando chegar o meu fim.