10.4.13

Quando a vingança fala mais alto que a paixão


            "A morte e a vingança estão presentes na mente de todas as pessoas. Não há quem resista a elas quando é chegada a hora de existirem e tomarem conta do que denominamos vida." 



            Ele, Vitor, amava muito Stefanye, aquela garota que sempre foi tão atenciosa e amável e nunca reclamou de nenhum de seus caprichos. Atenciosa, porém esperta, amável, mas não idiota. Vitor nunca percebeu que sua amada podia ser tão inteligente e cruel, descobriu isso pouco tempo depois de completarem 1 ano de namoro, quando por um deslize seu, ela descobriu seu romance secreto com Lívia.
            Era uma noite como outra qualquer, Vitor estava com Lívia como sempre, Stefanye já estava desconfiada de nunca poder ter Vitor para si durante a noite, resolveu sair a sua procura. Foi até sua casa e como já imaginava, ele não estava lá. Caminhou pela avenida onde ela e Vitor sempre caminhavam a tarde depois do pôr-do-sol e antes das 22 horas. Estava irritada, imaginando mil e uma coisas, até que olhou para o lado e notou que o carro de vitor estava no fim de uma rua. Ela foi até lá, o carro estava estacionado em frente de um grande sobrado. Ela pensou, pensou e gritou o nome daquele que ela pensava ser fiel. Vitor, dentro do sobrado, no andar de cima, na cama com Lívia, quase não pôde acreditar no que ouvia. Pensou estar somente se sentindo culpado demais, mas soube que era real quando Lívia o perguntou sobre o que ele ia fazer agora. Agora, era na cabeça de Vitor que se passavam mil e uma coisas. Ele resolveu ignorar até que ouviu novamente seu nome sendo gritado por Stefanye. Ele não teve coragem de ir falar com ela. Stefanye, bastante alterada, se foi.

            Depois de uns minutos em total silêncio, Vitor resolveu olhar pela janela e viu que a rua estava deserta. Voltou para a cama e dormiu. Para seu azar, Stefanye, voltou logo em seguida com uma enorme faca em mãos que tinha ido em casa buscar. Pulou o muro com facilidade, tamanha era sua raiva que arrombou a porta com um único chute, subiu os degraus da escada, abriu a porta do primeiro cômodo que encontrou e assim que abriu a porta, viu uma coisa que não queria acreditar: Vitor deitado com outra mulher em uma grande cama, em um lindo quarto. Não pensou duas vezes, andou em direção a Vitor, cautelosamente para não acordá-lo e lembrando que aquele homem que tinha mostrado a ela a felicidade, estava agora lhe causando tanta dor, enfiou com toda sua força a faca em seu peito. Vitor só teve tempo de abrir os olhos e dar um último suspiro. Stefanye deixou cair uma lágrima, uniu forças e puxou a faca de volta para repetir o gesto em Lívia, no outro lado da cama. Lívia, somente abriu os olhos e soltou um gemido fraco por 2 segundos. Stefanye puxou a faca novamente, saiu do quarto, desceu as escadas e lavou a faca na cozinha daquele mesmo sobrado, escondeu a faca debaixo de seu sobretudo e foi para sua casa.

            Chegando lá, jogou a faca em cima da mesa da sala de jantar e foi para cama. Dormiu rapidamente, como se tivesse tido o melhor dia de sua vida e desejasse apenas sonhar. E sonhou. Sonhou que estava morta, dentro do caixão, em seu velório, mas não havia ninguém para dar-lhe adeus além de Vitor. Eis que ele a acordou com um beijo intenso e apaixonado. Ela não sentia raiva, pelo contrário, olhava aqueles olhos sombrios e só pensava em abraçá-lo e tê-lo só para ela. Acordou novamente, dessa vez na vida real. Lembrou do que havia feito e que nunca mais poderia ter Vitor novamente em seus braços e pôs-se a chorar.

            Stefanye teve sonhos parecidos com esse durante muitas noites, inclusive na cadeia, onde foi condenada a viver por 12 anos, e sempre acordava chorando. Ela viveu solitária e triste por todo esse tempo que passou aprisionada. Quando ganhou a liberdade e se viu obrigada a viver sem Vitor, ficou desesperada e saiu correndo para sua casa. Pegou uma faca na cozinha e então, se vingando de sua própria consciência, se matou da mesma forma que sua paixão morreu.

            Assim termina uma história de paixão que por causa da traição, acabou em morte.