5.9.14

Visitante

Sem entender alguns impulsos; pensamentos; visões...
Me pego em viagem constante por um lugar que conheço tão bem.
Quer dizer, era para conhecer mas,
todos os dias imploro ao espelho uma explicação, ao menos uma.
Eu não sou fã dos por quês, no entanto se tornaram minha maior amizade
Sou visitante de mim mesma
E não, você não pode entrar
O desconhecido é privilégio dos poucos que se arriscam pelo cansaço do óbvio
A verdade se esconde em minha epiderme, mas o comum está aqui, entupindo minhas veias a procura da aceitação
Um modo do normal fazer parte do que queria ser apenas arte e precisa respirar
Como um quadro abstrato, nem mesmo o autor o define
Porque a loucura é única e especial
E o que você vê em mim eu jamais veria.