28.6.16

Deposite seus anseios mais bobos em mim; encha meus ouvidos com besteiras; despeje sua vontade insana de viver nas minhas costas; entupa meus caminhos com mentiras inacreditáveis. Eu sou o que tudo isso é: desnecessário. Eu reciclo dores e amores só para sofrer de novo. Eu não acredito no novo; odeio novidades; vivo de negar o passado e depois permitir que ele volte e seja prioridade. Qual a diferença entre esse lixo sentimental e eu? Nenhuma. Combinamos; fomos feitos um para o outro. Essa é a verdade; não o que você diz, não o que eu quero acreditar. A realidade é mãe de todas as mentiras e só ela poderia me salvar. Graças a verdade eu sei que sou de mentira. Graças as mentiras eu passo o tempo correndo da verdade.